Viajar de avião com pet

Vai viajar de avião com pet? Veja as regras para embarcar com tranquilidade

Os brasileiros costumam ter um relacionamento bastante próximo com os animais de estimação, seguindo uma tendência mundial. Nesse sentido, é comum viajar de avião com pet para mantê-lo seguro e próximo à família, mesmo durante as férias ou outras ocasiões.

No entanto, é preciso entender quais são as regras aplicadas para viajar com animais de estimação. Isso porque existem alguns pontos de atenção de modo a evitar transtornos e assegurar um embarque tranquilo.

Além disso, entender o que diz a legislação permite que você identifique e exija os direitos do seu animal.

Para saber mais sobre o assunto, continue a leitura e entenda como viajar de avião com pet de forma segura e sossegada! 

Aqui você verá:

    • Documentação necessária para o pet
    • Preparação psicológica do pet
    • Acessórios necessários
    • Checar exigências da companhia aérea
    • Regras para viagens com cão-guia
    •  

 

Passo a passo para viajar de avião com pet

Se você pretende viajar de avião com seu pet, é importante organizar diferentes pontos da viagem para garantir conforto ao animal. Confira, a seguir, os principais itens que devem ser observados!

Acomodação pet friendly

Antes mesmo de se preocupar com o transporte, é preciso verificar se a hospedagem é pet friendly. Alguns locais, como hotéis, pousadas, imóveis de temporada e apartamentos via aplicativos podem ter limitações em relação aos animais.

Documentação necessária para o pet

Para que o animal viaje de avião, é necessário verificar as regras de cada companhia aérea em relação aos custos do transporte. Além disso, é preciso ter atenção à documentação, cujas regras são previstas pela Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC).

Para embarcar com animais, é necessário apresentar:

  • carteira de vacinação, contendo vacina antirrábica, aplicada há mais de 30 dias e válida por 1 ano;
  • atestado médico veterinário, com validade de 10 dias, comprovando que o animal está saudável.

Preparação psicológica do pet

Uma viagem de avião pode ser bastante estressante para o animal — especialmente nos casos em que ele não pode ser transportado na cabine.

Por isso, vale fazer uma adaptação em relação aos acessórios que serão usados, como a caixa de transporte. Se o seu amigo ainda não está acostumado com ela, vale fazer associações positivas, como dar petiscos sempre que ele entra na caixa.

Outro ponto importante é a sedação: há tutores que consideram essa prática para ajudar os pets a manterem a calma. Porém, ela não é recomendada e, muitas vezes, proibida pelas companhias. Em caso de dificuldades, vale consultar o veterinário para saber como lidar com a viagem.

Acessórios necessários

Você deve ter atenção aos acessórios exigidos para facilitar a viagem e evitar problemas. Veja os principais:

  • coleira e guia;
  • itens para alimentação e hidratação do animal;
  • identificação do pet, como uma placa na coleira;
  • caixa de transporte, resistente e bem ventilada;
  • produtos de higiene — que, inclusive, deve ser reforçada antes do embarque.

Checar exigências da companhia aérea

É essencial verificar as regras e exigências de cada companhia aérea. Isso porque elas podem apresentar normas diferentes em relação às possibilidades de transporte de animais. Conheça os pontos de atenção:

  • tipos de transporte (cabine ou porão);
  • limites de peso para cada tipo de transporte;
  • cuidados específicos em relação à raça do pet;
  • necessidade de compra de passagem para transporte na cabine.

Ainda, não se esqueça de verificar regras específicas em relação ao destino. Podem existir documentos adicionais solicitados em viagens para outros países ou a exigência de microchip no animal. Por exemplo, na Austrália, os pets devem permanecer isolados em quarentena antes de entrar no país.

Regras para viagens com cão-guia

Vale destacar que as viagens com cão-guia têm regras diferenciadas. Afinal, eles têm a função de oferecer suporte aos seus donos em diversas situações, como diante de deficiência visual, física ou auditiva, além de outros problemas de saúde, como diabetes ou epilepsia.

Diante disso, a legislação assegura que eles devem viajar gratuitamente ao lado do seu tutor, basta utilizar coleira.

Para o embarque, é preciso apresentar um documento de identificação como cão-guia e a carteira de vacinação. Já nas viagens internacionais, é necessário o Certificado Veterinário Internacional (CVI) e o Certificado de Saúde emitido por um veterinário.

Ademais, existem restrições a depender das regras sanitárias dos países de destino ou onde serão efetuadas as conexões. Nesse caso, uma solução é recorrer às alternativas de transporte de carga oferecidas pelas companhias aéreas.

Conhecendo as regras para viajar com pet, você terá mais facilidade em planejar o passeio e, se necessário, assegurar que a companhia observe os direitos garantidos na legislação. E, caso tenha dificuldades no processo, vale procurar apoio profissional para solucionar a questão.

Gostou do conteúdo? Aproveite e descubra em quais situações é possível processar a companhia aérea!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Baixe agora o manual para planejar sua viagem!

Neste Manual do Planejamento de Viagem, a direitojá traz todas as dicas para os viajantes organizarem suas viagens de avião e evitarem imprevistos na sua jornada.